quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

2011

 Final de ano vem sempre acompanhado de recordações.
 Começamos a relembrar tudo o que vivemos no ano que se passou, o que fizemos ou deixamos de fazer, o quanto amamos, abraçamos, choramos, rimos, caímos, levantamos. Para muitos, é o único momento em que param para fazer um balanço geral da pessoa que é. As lembranças são sempre acompanhadas de esperança, visando mudar tudo no ano que está por vir, ou manter o que com muito esforço foi conquistado. É quando surgem as inúmeras promessas, que nem sempre são cumpridas.
  Apesar de fazer parte, acho que não é hora de ficar se gabando ou choramingando pelos seus feitos. Relembre tudo sim, mas continue olhando para frente.
 É como escrever um livro em uma máquina de datilografar: não é porque a linha acabou que você vai esquecer o que escreveu e começar de novo. Você simplismente empurra o rolo de volta para o começo da proxima linha e continua a escrever a história. Você não vai deixar o que aconteceu de lado e começar tudo de novo, apenas dar continuação a história e se esforçar pra faze-lá, a cada letra, ainda melhor.
Se é pra desejar algo para o ano que está chegando eu desejo que vocês vivam cada momento intensamente.
Que deixem a ansiedade e preocupação no final dessa linha e iniciem a próxima dando um passo de cada vez.
Desejo que vocês saibam aproveitar os pequenos prazeres da vida, viver cada alegria e preocupação em seu devido momento.
Desejo sabedoria pra todas as horas.
Que vocês sonhem, mas acima disso, realizem!
Feliz ano novo e que Deus esteja com todos vocês!

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

Reencontro.

Eles não se viam há anos. Foi quase um choque quando se encontraram.
Era uma sexta-feira, ela estava sentada em uma mesa do lado de fora da cafeteria lendo um livro quando uma voz quebrou sua concentração:
- Com licença, Senhorita. Desculpe incomodá-la, mas eu te conheço de algum lugar.
 Ela conhecia aquela voz, aquele sotaque. Sem se conter, elevou a face e, com uma voz divertida, respondeu:
- Eu tenho certeza que sim.
Os dois abriram um largo sorriso. Muito tempo já se passara desde a última vez em que estiveram juntos. Ela o convidou a se sentar e ele assim o fez, se esquecendo dos compromissos que tinha. Conversaram por pouco menos de uma hora, estavam tão empolgados que nem viram o tempo passar. Ele logo teve que ir embora, mas, sabendo que ela partiria em 2 dias, convidou-a para jantar no dia seguinte para 'colocarem a conversa em dia'. Entusiasmada, logo respondeu que sim.
 Ele pegou ela as 20h e a levou para o melhor restaurante da cidade. Ambos estavam ansiosos, sentiam borboletas se movendo em suas barrigas e uma alegria inexplicável, por algum motivo sentiam-se assim apenas na presença um do outro, nem eles sabiam explicar. Talvez fosse resquício da história de amor que compartilharam... mas isso já fazia tanto tempo, já deviam ter superado.
Conversaram a noite toda. Mesmo após anos, ainda era tão fácil permanecer na presença um do outro, era incrível como ficavam bem juntos... O que deu errado? No meio de novidades e brincadeiras, começaram a relembrar a época em que namoraram. As promessas, risadas, loucuras, viagens.. Por um momento, sem que o outro tivesse conhecimento, desejaram viver tudo aquilo de novo. Ele, todo emoção, desejava se entregar e dizer tudo o que sentia naquele momento, mas se conteve... não tinha coragem suficiente. Ela, toda razão, decidiu que aquilo não passava de emoções e não se deixaria levar por elas.
 A noite passou mais rápido do que desejavam.
 Ele levou-a para o hotel. Ela iria embora no dia seguinte, bem cedo. Muito educado, ofereceu-se para levá-la até o aeroporto.
- Não quero incomodá-lo - afirmou contrariada.
- Estar com você nunca é incômodo, será um prazer - ele rebateu. Suas palavras não mentiam, no fundo ele queria passar mais tempo com ela, queria 'gastar' mais tempo com a mulher que foi o amor de sua vida e, que descobriu recentemente, ainda é. Meio hesitante, ela concordou.
 Ele pegou-a uma hora antes do voo: o aeroporto ficava à 20 min. do hotel. Fizeram todo o trajeto praticamente em silêncio. Não conseguiam falar, imaginar dizer adeus de novo, foi tão difícil da última vez.
 Ao chegarem no aeroporto, não puderam mais adiar:
- Então, acho que é isso - ela falou tentando quebrar o silêncio.
- Pois é.
- Foi muito bom te ver.
- Eu digo o mesmo.
- Obrigada pelo jantar, havia me esquecido como é bom estar com você... - ela controlava as palavras para não dizer mais do que devia.
- Como você esquece disso? Pensei que eu fosse inesquecível!! - ele brincou. Eles riram - Foi um prazer, me avise quando vier pra cá de novo pra podermos conversar mais...
- Vou pensar no seu caso - ela sorriu - Obrigada por tudo.
- Não precisa agradecer.
Se cumprimentaram com um breve abraço. Lágrimas começavam a se formar no olhos dele com o pensamento de que poderia passar anos sem vê-la novamente. Ela fingiu não notar, sem dizer nada virou-se, mas antes que pudesse se afastar consideravelmente, sentiu algo lhe puxar pelo braço e, quando percebeu, estava envolvida nos braços dele e seus rostos se encontravam a poucos centímetros de distância. Era possível sentir o coração dos dois batendo descompassadamente juntos, a respiração acelerada. Os olhos se encontraram dizendo tudo o que o medo não permitiu dizer. Se aproximaram até que suas bocas se encontraram.
Eles se amavam e tempo nenhum mudaria isso.

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

O Bicho

"Vi ontem um bicho
Na imundície do pátio
Catando comida entre os detritos.

Quando achava alguma coisa,
Não examinava nem cheirava:
Engolia com voracidade.

O bicho não era um cão,
Não era um gato,
Não era um rato.

O bicho, meu Deus, era um homem."
                                (Manuel Bandeira)

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

A idéia é rotina do papel

O céu é a rotina do edifício

O inicio é a rotina do final

A escolha é a rotina do gosto

A rotina do espelho é o oposto

A rotina do perfume é a lembrança

O pé é a rotina da dança

A rotina da mão é o toque

A rotina da garganta é o rock

Julieta é a rotina do queijo

A rotina da boca é o desejo

O vento é a rotina do assobio

A rotina da pele é o arrepio

A rotina do caminho é a direção

A rotina do destino é a certeza

Toda rotina tem a sua beleza.

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

As vezes ela não sabe bem ao certo para onde, como ou porque esta caminhando. Tem vontade de deixar tudo pra trás: todos os sonhos, vontades, desejos e amores. São momentos em que nada faz sentido, em que ser ou deixar de ser não faz a mínima diferença. Os esforços parecem  indiferentes e nesses momentos ela se pergunta se vale mesmo a pena. Se pergunta se faria falta, se alguém notaria ou sentiria o distanciamento. O sorriso ensaiado e automático esconde o amargo que a vida acrescentou. Ninguém sabe bem ao certo o peso que ela traz no coração: você não sabe, você não viu, você não perguntou. Ela esteve do seu lado tempo suficiente para que você conhecesse sua vida - e talvez pudesse ajudá-la - mas você não sabe nem o nome do meio daquela estranha. Não é do seu interesse, não faz diferença. 
Ela não exibe suas emoções, não chora na frente dos outros... os outros. Eles não aceitam pessoas fracas, se entediam com o problema alheio e por isso ela escondeu tudo debaixo de um lençol - o coração. Apesar de parecer uma ótima idéia, isso acrescentou detalhes a sua personalidade que não são bem-vindos, detalhes que ela nunca quis ter. Abandonar tudo parece ser a melhor idéia, uma pessoa isolada não possui muitas alegrias e não tem com quem compartilha-lás, mas também evita machucados. Infelizmente, a racionalidade e seus princípios não deixam. Suas palavras parecem não ter nexo e ensaiadas, mas dizem que para bom entendedor, meia palavra basta!  

sexta-feira, 17 de setembro de 2010

Eu não sei bem ao certo onde essa guerra começou, mas as vezes eu desejo que ela nunca tivesse acontecido. Digo as vezes pois os mesmos erros que levaram a isso também me ensinaram muitas coisas. Eu poderia desejar então aprender isso de outra forma, talvez fosse melhor... ou talvez não. Já disse e repito que ninguém sabe o que seria, cabe a nós apenas o presente. Nunca peguei minhas armas para ir a luta, não NESSA luta, ela é desnecessária, movida por ego, medo e erros. Ao contrário disso, tento encontrar o fim dela, de toda a maneira possível. É verdade que para isso muitas vezes vai ser preciso que eu me humilhe e abra mão dos meus sentimentos e algumas vontades, mas prefiro ser um perdedor humilde do que um ganhador orgulhoso.

quarta-feira, 1 de setembro de 2010

  Tenho uma professora que faz questão de sempre nos lembrar a importância de formar opinião. Vou confessar que me assustei um pouco, ou melhor, fiquei incomodada na primeira vez que tive aula com ela, . Não pela sua pessoa, mas pelo que ela disse: que precisamos sempre ter opinião ou ao menos ser informados. Isso me incomodou por dois motivos: primeiro porque eu sempre detestei essa idéia de que devemos estar sempre informados e ter que escolher um lado, segundo porque eu sabia que ela estava certa e eu apenas inventado desculpas para não fazê-lo. A busca pelo conhecimento só nos traz benefícios: ajuda na hora de fazer escolhas, proporciona uma maior possibilidade de assuntos, além de ser extremamente importante nos estudos e para o trabalho. Em um vestibular, por exemplo, é um ótimo aliado na redação. 
  Não estou dizendo que você deve enfiar a cara em livros e viver ali - outra porque, a menos que você seja uma máquina, não irá conseguir absorver tudo - mas que ao menos ler uma revista interessante (capricho, atrevida e cia não entram aqui, por favor), pesquisar aquele assunto que você não entende ou o significado de uma palavra podem fazer a diferença no seu dia-a-dia e, com certeza, pode mudar sua forma de pensar. Formar uma opinião não é acreditar em algo pro resto da sua vida, alguém pode te fazer mudar de idéia, mas você terá um motivo para fazer isso. 
  A essa professora, eu agradeço, não só por me ensinar a importância da opinião, mas também da crítica, da observação, da análise... coisas talvez 'pequenas', mas que além dos estudos, também fizeram a diferença na minha vida! :)

domingo, 8 de agosto de 2010

Freedom

  As vezes tenho vontade de te apertar, te abraçar, te roubar pra mim e vezes outras de apenas te deixar ir. Não me leve a mal, eu sou assim: quero tudo e nada ao mesmo tempo. Quero alguém que me ame, me abrace, sonhe e ande comigo, mas não quero que viva a minha vida. Desejo que esse mesmo alguém viva, ame, sinta, sonhe e ande no seu próprio ritmo, sem se apressar ou diminuir o passo. Ao mesmo tempo que te tenho te deixo livre pra ser o que, como e quem quiser. Mas essa é uma virtude de duas faces: a independência e o egoísmo.
  Desde criança, aprendi a andar com minhas próprias pernas e desde então não deixo que alguém trace o meu caminho por mim. Não exijo que me amem, me queiram, me abracem, me beijem, fiquem ao meu lado: cada pessoa é livre pra tomar as decisões que bem entender. Sou ciumenta e insegura, mas só falo o necessário e omito qualquer exagero. Ao mesmo tempo que o faço pela outra pessoa, o faço por mim. Não tiro a liberdade de ninguém porque não quero que tirem a minha. Eu não sei voar com as asas amarradas, não sei andar com as pernas atadas... preciso ser livre pra tomar as minhas decisões, exercer minhas vontades e essa liberdade que me faz escolher pelo bem do outro. É essa liberdade que me faz querer estar do lado de alguém. Vou estar sempre ao seu lado, fazendo o que puder pra te agradar e para que ambos sejamos felizes. Ainda assim, nem sequer pense em me prender, em querer mandar em mim: eu sou livre e no momento em que você pensar isso eu ja estarei longe; correndo pela minha liberdade, correndo pela minha vida! ;)

sexta-feira, 6 de agosto de 2010

Amigos, meus amigos

   Sempre me disseram - e eu li muito por aí - que você descobre os verdadeiros amigos quando está passando por dificuldades e, de fato, é assim mesmo. Cada etapa, cada segundo da minha vida me mostrou e ainda me mostra a veracidade dessa afirmação além de me fazer ver mais além. Quando falamos em dificuldade sempre pensamos no pior: morte de alguém querido, dificuldade financeira, emocional, dentre tantas outras... mas a verdade é que mesmo nas pequenas coisas, nos nossos pequenos 'dramas' é possível enxergar quem está verdadeiramente ao seu lado e quem está apenas de passagem.
  Ainda que existam milhões de definições para a palavra 'amigo', nós sempre acrescentamos algo; uma opinião nossa (que se for ver, não é tão nossa assim).  Na minha humilde opinião eu vejo um amigo como aquela pessoa que se importa conosco, mas não apenas 'se importa'... ela se preocupa com as nossas vontades, com o que gostamos, o que é melhor para nós, sonha e sofre junto com a gente, mesmo que o seu sonho ou sofrimento seja ridículo, mesmo que você esteja fazendo tempestade em copo d'água. Um amigo trata aquilo que é importante para você como se fosse importante para ele. Levanta sua cabeça quando ela cai, e mesmo quando você não diz qualquer coisa, ele aparece com a mão estendida dizendo "não se preocupe, eu estou aqui/ Vou caminhar com você/Não desista, ainda não acabou". Amigo é aquele que se mostra presente em todos os momentos: alegres, tristes, grandes, pequenos, sem sentido, sem graça e ele nunca desiste de você.
  O melhor amigo que você pode ter, sem dúvidas, é Jesus Cristo e eu sou grata a ele por essa amizade e por me proporcionar tantas outras. Talvez sejam poucos os verdadeiros amigos que tenho mas sei que essas amizades valem mais do que todo o ouro do mundo! ;)
Melhor é serem dois do que um, porque têm melhor paga do seu trabalho. Porque se caírem, um levanta o companheiro; ai, porém, do que estiver só; pois, caindo, não haverá quem o levante. Também, se dois dormirem juntos, eles se aquentarão; mas um só como se aquentará? Se alguém quiser prevalecer contra um, os dois lhe resistirão; o cordão de três dobras não se rebenta com facilidade. (Eclesiástes 4:9-12). A 'Terceira' dobra, é Deus

sábado, 17 de julho de 2010

Procura-se INFÂNCIA.

 Há algum tempo atrás vi algo que me deixou perplexa: fui almoçar com minhas amigas no shopping e, sentada na mesa ao lado estava uma família (pai, mae e uma criança). A criança - que por sinal era uma menina - não devia ter mais que 6 anos e no exato momento em que a olhei, ela segurava um espelho com a mão esquerda e com a direita passava uma batom! Tá, aí você me pergunta "E qual é o problema?". Bom, a menos que você ache normal uma menina, com menos de uma década de vida, passar batom, sem borrar e ainda tirar o excesso fazendo biquinho, então realmente, NENHUM problema. Vou dizer que assisti toda essa cena perplexa, quando me dei conta eu estava olhando para ela com os olhos arregalados e a boca aberta. Ok, ok, não parece tão horrível assim, me desculpem por não conseguir transmitir com fidelidade essa cena, mas eu garanto: era terrível. O que aconteceram com as barbies? Os fogãozinhos de plástico? As bonecas, a correria, pular elástico, a inocência... O QUE ACONTECEU COM A INFÂNCIA? Por favor, se alguém achá-la me avise, pretendo apresentá-la a meus filhos.

terça-feira, 29 de junho de 2010

"Desistir". "Não vai dar certo". "É muita coisa". " É impossível!"   .Acho que nunca pensei tanto nessas palavras como ultimamente. Vou confessar que ao acordar sou tomada todos os dias por uma leve dose de desespero que se esvaece ou acentua com o passar do dia. Minha vontade é jogar tudo pro alto e deixar por assim mesmo, eu tenho outras opções. É, eu tenho... mas eu NÃO quero. Quero ISSO e vou lutar até conseguir, nem que pra isso eu tenha que passar noites acordadas e sábados em companhia de livros. Talvez muitos não acreditem na minha capacidade, outros sim... infelizmente, isso não muda o resultado. Mas quer saber? Eu vou fazer minha parte e - literalmente - 
seja o que Deus quiser! ;)

terça-feira, 20 de abril de 2010

Talvez eu deveria estar feliz, ja que isso me traz o gostinho da dúvida e da ânsia pelo amanhã, mas eu vou confessar que certas horas odeio a incerteza que é minha vida. Ontem eu estava em um pequeno apartamento e era minha mãe quem cuidava de nós, minha casa vivia lotada de pessoas; mas não quaisquer pessoas... eram pessoas amadas, queridas por mim, que, sem saberem, marcaram profunda e amargamente a minha vida (talvez a marca delas fosse apenas profunda e as minhas escolhas as tornaram amargas). No dia seguinte minha vida estava de cabeça para baixo, o calor dos abraços e carinhosos afagos de minha mãe se encontravam agora a km de distância, aqueles amigos ja não são mais tão "amigos", talvez devesse me dirigir a eles como colegas, ou melhor, conhecidos. Vou confessar que sinto uma falta irrepreensível deles, ganharam um pedaço do meu coração e foram embora, se esquecendo de devolvê-lo.
Apesar do que parece, não culpo ninguém por isso, afinal, foi caminhando com meus pés que cheguei até aqui, mas eu devo dizer que a dor do arrependimento dói, talvez mais do que a da incerteza. Antes fosse uma dor como a de camões, "dor que dói e não se sente", mas ao contrário, essa dói e se sente da pior maneira que se pode sentir: no coração, na alma. Ela existe adormecida, quase não se nota e nessas horas essa pequena intrusa talvez realmente não machuque. Ela age quando seu pensamento vaga pelas lembranças e se choca com determinado acontecimento, quando a memória se enche do que não se quer recordar... é faísca suficiente para nascer fogo e queimar.
Não é que eu seje uma fracassada ou viva de passado, longe de mim, mas eu sou humana e as vezes gostaria que algumas coisas fossem diferente. 
Eu poderia até dizer que se pudesse voltar ao passado faria minha vida tomar outro rumo, 'pegar' outra estrada, mas seria uma mentira. Quem sabe o que aconteceria? Não me cabe saber isso, eu só sei que a cada minuto uma linha nova é escrita e daí sim, eu posso dizer que vou fazer o que puder pra que seja diferente. 

quinta-feira, 1 de abril de 2010

Em algum momento da história a nossa estrada se cruza; talvez ali se torne uma só, talvez nesse mesmo ponto ela se bifurque, seguimos em direções opostas e quem sabe nos reencontremos no proximo cruzamento. Somos tão frágeis ao tempo, as peças que o destino nos prepara, somos constantemente surpreendidos pelo rumo que a vida toma. Quando menos se vê você esta combinando saídas com aquela menina que não suportava há alguns anos, esta na casa da(o) menina(o) com a(o) qual esbarrou na esquina no mês passado. Quando menos se vê você esta namorando, passado não muito tempo você esta vestida de branco, e logo em seguida sua família é composta por três pessoas. Isso levou anos para acontecer, mas parece que demorou a mesma fração de segundos de um piscar de olhos. Apesar disso, o mesmo não acontece quando nos encontramos fazendo planos e almejando que algo aconteça logo, cada minuto parece uma eternidade, cada passo, ao ínvés de diminuir, parece aumentar o caminho. A verdade é que o tempo que levou para você formar a sua família é o mesmo no qual você anseia realizar seus sonhos, o tempo que você levou para virar amiga(o) daquela(e) menina(o) é o mesmo que você passou trilhando caminhos opostos ao dela: cada minuto tem 60seg, cada hora contém 60min e cada dia possui 24h. A diferença é que quando simplismente deixamos as coisas acontecerem, quando descansamos no Pai, elas sempre parecem fluir mais rápido. Isso é porque quando estamos em paz e felizes, as horas parecem voar, o ponteiro parece rodar 360º em um minuto. Viva um dia de cada vez, viva o hoje, faça a diferença HOJE, amanhã... bom, amanhã você pensa no dia seguinte! ;)

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

Cartas e afeto.

Procurando alguma coisa no meu guarda-roupa reparei em uma caixa de tênis empilhada sobre outras. Não vou dizer que fiquei curiosa para saber o que havia ali, graças a minha mania de organização e limpeza eu separei cada uma para uma função e aquela era minha caixa de cartas. Todo mundo tem uma... ou ao menos deveria ter. Decidi explorá-la. Não preciso ficar relatando o que eu vi lá; um monte de cartas velhas, lembranças, tristezas, alegrias, sorrisos... Sentada ali, resgatando um pouco do passado eu percebi uma coisa: fazmuito tempo que eu não recebo uma carta. Quero dizer, qual foi a última vez que você recebeu alguma carta que não dizia o valor da sua conta de telefone ou que sua conta de água estava atrasada? Hoje é tudo tão rápido, tão instantâneo, quando alguém quer te dizer algo essa pessoa simplismente te pede pra - ou espera você - entrar no msn e te diz tudo o que esta engasgado - seja algo bom ou ruim - ou então manda um e-mail, depoimento, seja la o que mais. Não só a companhia de correios deve ter sentido uma diferença como também a telefônica, pessoas ligam cada vez menos umas para as outras quando estas moram na mesma cidade. Quando você vai chamar alguém para sair a primeira coisa que pensa é em "deixar um scrap". Ou então ao tirar uma foto com os amigos, sempre tem alguem que diz "vou colocar essa no orkut"... A alguns anos atrás pensaríamos em revelá-la e guardá-la de lembrança. Podemos mencionar também aquele seu amigo que esta no cinema e acabou de postar isso no twitter, detalhes a parte, eu detestaria se alguém tivesse saído comigo e estivesse com seu 'iPhone', ou o quer que seja, postando na internet. Evoluimos tanto com a tecnologia e regredimos com a mesma velocidade na comunicação, as demonstrações de carinho, afeto, amor... Existem pessoas que não sabem se expressar se não tiverem a sua frente um monitor e um teclado a mão, e isso é realmente uma droga. Não to dizendo que todos deveríamos saber falar, nunca, cada um tem uma personalidade, as suas dificuldades... o que estou tentando dizer é que não devemos deixar pra dizer as coisas somente digitando palavras, nos descostumar a isso e aprender a nos relacionar melhor. Do que adianta termos tudo a mão se simplismente não sabemos fazer bom uso? Se eu pudesse dar um conselho, eu diria para essas pessoas se abraçarem mais, conversarem mais, rirem mais... como diriam algumas: "ficar off" para o mundo virtual e se conectarem ao mundo tridimensional! Não perca alguém ou algo pra saber que você poderia ter uma vida melhor! ;)

segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

É a vida, é bonita e é bonita...

Quando a gente pensa que tem todas as respostas; vem a vida e muda todas as perguntas.
Quando a gente supera; vem a saudade e nos faz reviver.
Quando a gente levanta; chega a luta querendo outra vez te derrubar.
E a vida é assim, um vai e vem, uma montanha russa de sensações e emoções. Dizem que leva anos pra se conquistar uma amizade e confiança e apenas segundos para destruí-la; que você pode fazer coisas em um min das quais se arrependerá pelo resto da vida; que leva metade do tempo que você ficou com uma pessoa para esquecê-la. Eu assino embaixo. Eu digo que ela é uma caixinha de surpresas, sempre trazendo - de volta ou pela primeira vez - algo que mexe conosco. É preciso sabedoria pra lidar com as situações, raciocínio pra não se entregar as emoções e ao mesmo tempo amor pra não deixar falar mais alto a razão. Porque as escolhas são assim: um equilíbrio de razões e emoções; a decisão entre o que você quer e o que é melhor para você. Mas mesmo com tanto zelo e cuidado, você não será privado de dores e frustrações, porém, tudo depende da maneira como você vê. Devemos entender que tudo é aprendizado, você pode tomar essas dores e frustrações como traumas ou como crescimento! Por isso como eu sempre digo, ja disse e repito: tudo depende de como você vê...
"E a pergunta roda, e a cabeça agita. Eu fico com a pureza da resposta das crianças... É a vida, é bonita e é bonita.." - O que é, o que é?/Gonzaguinha