quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

Cartas e afeto.

Procurando alguma coisa no meu guarda-roupa reparei em uma caixa de tênis empilhada sobre outras. Não vou dizer que fiquei curiosa para saber o que havia ali, graças a minha mania de organização e limpeza eu separei cada uma para uma função e aquela era minha caixa de cartas. Todo mundo tem uma... ou ao menos deveria ter. Decidi explorá-la. Não preciso ficar relatando o que eu vi lá; um monte de cartas velhas, lembranças, tristezas, alegrias, sorrisos... Sentada ali, resgatando um pouco do passado eu percebi uma coisa: fazmuito tempo que eu não recebo uma carta. Quero dizer, qual foi a última vez que você recebeu alguma carta que não dizia o valor da sua conta de telefone ou que sua conta de água estava atrasada? Hoje é tudo tão rápido, tão instantâneo, quando alguém quer te dizer algo essa pessoa simplismente te pede pra - ou espera você - entrar no msn e te diz tudo o que esta engasgado - seja algo bom ou ruim - ou então manda um e-mail, depoimento, seja la o que mais. Não só a companhia de correios deve ter sentido uma diferença como também a telefônica, pessoas ligam cada vez menos umas para as outras quando estas moram na mesma cidade. Quando você vai chamar alguém para sair a primeira coisa que pensa é em "deixar um scrap". Ou então ao tirar uma foto com os amigos, sempre tem alguem que diz "vou colocar essa no orkut"... A alguns anos atrás pensaríamos em revelá-la e guardá-la de lembrança. Podemos mencionar também aquele seu amigo que esta no cinema e acabou de postar isso no twitter, detalhes a parte, eu detestaria se alguém tivesse saído comigo e estivesse com seu 'iPhone', ou o quer que seja, postando na internet. Evoluimos tanto com a tecnologia e regredimos com a mesma velocidade na comunicação, as demonstrações de carinho, afeto, amor... Existem pessoas que não sabem se expressar se não tiverem a sua frente um monitor e um teclado a mão, e isso é realmente uma droga. Não to dizendo que todos deveríamos saber falar, nunca, cada um tem uma personalidade, as suas dificuldades... o que estou tentando dizer é que não devemos deixar pra dizer as coisas somente digitando palavras, nos descostumar a isso e aprender a nos relacionar melhor. Do que adianta termos tudo a mão se simplismente não sabemos fazer bom uso? Se eu pudesse dar um conselho, eu diria para essas pessoas se abraçarem mais, conversarem mais, rirem mais... como diriam algumas: "ficar off" para o mundo virtual e se conectarem ao mundo tridimensional! Não perca alguém ou algo pra saber que você poderia ter uma vida melhor! ;)

2 comentários:

Ana Luiza Verzola disse...

Hoje na minha aula de Teorias da Comunicação, colocamos em pauta exatamente isso. Teria o avanço tecnológico promovido a distância entre os corpos?
Quando você coloca "Evoluimos tanto com a tecnologia e regredimos com a mesma velocidade na comunicação", tira as palavras da minha boca. Ainda hoje, voltando da faculdade, pensei qual a importância de um abraço, de uma palavra ou simplesmente um gesto amigo. É tão gostoso não é? Me sinto com um pézinho na vida de meus avós, ou mesmo de meus pais, com cartas, ou caixa de cartas. Tenho uma, repleta delas! De cada fase da minha vida, que com o tempo foi ficando cada vez mais escassa... Qual o melhor presente que podemos dar e receber? Tempo. É muito bonito ter alguém que nos dedique um pouco de seu tempo, seja para perguntar se estamos bem, dar um oi, mandar lembranças. Até mesmo por um "scrap", que seja. Mesmo que eles não tenham espaço na nossa caixa de cartas, ainda ficam na caixa da memória ;)

Ah, adorei o novo visual do blog!

Beijo

Gabs disse...

Oi (: sou uma nova seguidora aqui ~ amei demais esse textos, e tenho a mesma sensação cada vez que pego tambem, a minha caixa dourada no canto escuro do meu guarda-roupa (...)

beijos,